Quem criou o Bitcoin? A lenda de Satoshi Nakamoto

Bitcoin é um sistema de pagamento digital Peer-to-Peer. Quem criou o bitcoin fez isso pensando na troca de valores com qualquer pessoa sem que seja preciso contar com um intermediário. 

Quando pensamos em enviar dinheiro digitalmente, a primeira coisa que nos vem à cabeça são as transferências bancárias. Mesmo que isso costume funcionar bem, acaba tendo muitas limitações.

As transferências bancárias são locais, dentro do mesmo país, mas o envio de dinheiro pra fora é sempre um processo diferente e muito mais complicado. 

Além das limitações geográficas, os bancos mantêm o controle total do nosso dinheiro, podem congelar a nossa conta ou impor vários tipos de restrições. 

É aí que o bitcoin brilha: com ele, é possível transacionar valores digitalmente sem perder a custódia dos nossos fundos. 

A criação do Bitcoin marcou um antes e um depois na história das finanças. Vamos analisar mais de perto a história da primeira criptomoeda? Segue com a gente!

picareta de referencia a quem criou o bitcoin

Quem inventou o bitcoin?

Essa informação é de conhecimento geral e a resposta para essa pergunta está na ponta da língua: Satoshi Nakamoto foi o criador do Bitcoin. 

Agora, quem é Satoshi Nakamoto já é outra história, já que a pessoa (ou pessoas) por trás desse nickname permanece anônima desde então. O nome japonês é apenas um pseudónimo escolhido, mas não está ligado a nenhuma identidade real. 

No dia 31 de outubro de 2008,  Satoshi publicou o whitepaper Bitcoin, intitulado “Bitcoin: a Peer-to-Peer Electronic Cash System“. 

O documento é de autoria de quem inventou o bitcoin e descreve o funcionamento da primeira criptomoeda. Após a publicação, Satoshi se manteve em contacto com alguns dos membros de uma lista de e-mails, discutindo e respondendo às perguntas sobre a blockchain do Bitcoin.

Quando e como foi criado o bitcoin?

No dia 3 de janeiro de 2009, 64 dias após o lançamento do whitepaper, Satoshi minerou o primeiro bloco da blockchain do BTC, chamado “bloco Gênesis”. 

Nesse período de pouco mais de 2 meses, Satoshi Nakamoto deixou de ser um desconhecido para fazer história ao criar a primeira moeda digital descentralizada. Até mesmo a menor unidade do BTC ficou conhecida como satoshi (SATS).

De onde é o bitcoin?

O Bitcoin, como o próprio Satoshi, não tem nacionalidade. Ainda que a identidade do seu criador seja conhecida, o protocolo é tão global como a Internet. 

Qualquer pessoa tem acesso à rede do BTC, seja como simples usuário ou um desenvolvedor. É por isso que um dos pontos mais fortes do Bitcoin é a sua universalidade: existem milhares de nós, ou computadores, espalhados por todo o mundo, que armazenam uma cópia atualizada dessa blockchain. 

Mesmo que alguém organize um ataque aos nós do Bitcoin ou ainda que aconteça uma catástrofe global, basta que somente um nó permaneça ativo para que a rede Bitcoin continue funcionando.

O que sabemos sobre Satoshi Nakamoto? 

O criador do bitcoin pode até não ter sua identidade real conhecida, mas a história do BTC está cheia de rastros que nos fazem pensar ainda mais em quem será essa figura tão mítica e reverenciada no mundo das criptomoedas. 

Se liga em algumas informações que temos sobre Satoshi e o bitcoin!

Primeira referência

A primeira referência que temos sobre Satoshi é uma troca de e-mails que aconteceu em novembro de 2008, onde Nakamoto menciona que havia trabalhado no código do Bitcoin durante o último ano e meio. 

Dessa forma, podemos assumir que Satoshi começou a escrever o código Bitcoin em meados de 2007, mesmo assim, é de se esperar a ideia de um meio de pagamento digital descentralizado tenha sido concebida muito mais cedo. 

Isso afasta a crença de que o bitcoin tenha sido criado como um tipo de resposta à crise americana de 2008 e à decisão do governo de imprimir dinheiro para evitar a bancarrota dos grandes bancos.

Nacionalidade da Satoshi

Para preservar o seu anonimato, Satoshi nunca revelou a sua nacionalidade, onde vivia ou de onde era. 

As mensagens do criador do bitcoin estavam em um inglês perfeito, com alguns sinais de uso de termos britânicos. Mesmo assim, se olharmos o seu calendário de publicações e atividades nos fóruns, estima-se, na teoria, que ele viveu nos Estados Unidos.

Última aparição

Seu último post em um fórum público aconteceu em dezembro de 2010. Longe de representar um adeus, a mensagem falava de algumas alterações que deveriam ser feitas no código da blockchain do Bitcoin para deixar a rede mais segura. 

Ele mencionou que o bitcoin ainda precisava de muito desenvolvimento para chegar a uma versão final mais próxima da perfeição. Soubemos, mais tarde, que Satoshi continuou a se comunicar durante mais alguns meses com Gavin Andresen, sem dúvida o principal desenvolvedor de Bitcoin naquele momento. 

Satoshi queria que Gavin assumisse o Bitcoin porque ele queria se dedicar a outros projetos.

Em 2014, a conta da Satoshi voltou à ativa e publicou uma mensagem final, dizendo: “Eu não sou Dorian Nakamoto”. Nessa altura, o Bitcoin já tinha ficado mais conhecido e a procura do seu misterioso criador ganhou força. 

A imprensa encontrou, na Califórnia, um homem chamado Dorian Satoshi Nakamoto que parecia se encaixar no perfil do criador de Bitcoin. Dorian negou ter qualquer ligação com o projeto, mas permaneceu sob os holofotes da mídia.

Outros possíveis Satoshis

E por falar em gente importante para a história do bitcoin, não podemos esquecer Hal Finney. Hall foi um ferrenho defensor da criptografia e inventou o sistema RPOW (Reusable Proofs of Work) que foi usado como referência para o mecanismo de PoW (Proof-of-Work). 

Entre outras personalidades que foram ‘confundidas’ com Nakamoto, encontramos Nick Szabo, que apesar de ser um dos precursores dos contratos inteligentes, sempre negou ser a pessoa por trás do nick Satoshi. 

Mas alguém que, sim, assumiu ser o verdadeiro Satoshi Nakamoto, foi Craig Wrigt. Craig chegou a dizer que foi obrigado a revelar sua identidade para proteger pessoas próximas. De qualquer forma, isso nunca ficou comprovado. 

O último possível Nakamoto é Adam Back, que teve seu nome associado ao pseudônimo mais famoso do mundo crypto após a publicação de um documentário chamado “Desmascarando Satoshi”. Igualmente, isso nunca foi confirmado.

É bom que o criador do Bitcoin seja anônimo?

Muitas pessoas acreditam que a ausência de um líder é uma parte essencial da natureza descentralizada do Bitcoin. 

Todas as decisões na rede são tomadas por consenso. Desenvolvedores, mineradores e usuários participam na tomada de decisões. Inicialmente, quando Satoshi Nakamoto ainda estava envolvido no desenvolvimento do Bitcoin, era visto como um “ditador benevolente”. 

Mesmo que fosse um projeto de código aberto com muitos programadores envolvidos, todas as alterações finais passaram por ele.

Quando Satoshi decidiu abandonar o projeto no início de 2011, cedeu o controle para a comunidade. A partir de então, vários processos de melhoria foram propostos, mas cada um precisava ir a voto. 

O objetivo dessa participação coletiva? Implementar somente as mudanças aprovadas pela comunidade. Muito possivelmente, se Satoshi ainda estivesse ativo, ele teria controle sobre o norte do bitcoin e a história, hoje em dia, poderia ser muito diferente.